O Debate do Lícito e do Ilícito na Internet: liberdade de expressão e remoção de conteúdo

Samuel Nunes, Frederico Cardoso de Miranda

Resumo


O presente trabalho buscou uma análise da liberdade de expressão na internet, para levantar as técnicas usadas pelos magistrados para dirimir conflitos nos quais é requerida a remoção de conteúdo da internet, além da eficácia das determinações judiciais e a responsabilização dos provedores. Considerando a estrutura técnica de operação da internet, os limites da liberdade de expressão foram confrontados à luz dos diplomas normativos, da jurisprudência e de doutrinas, bem como possibilidade de indisponibilização de conteúdo e seus requisitos, com base no Marco Civil da Internet, inclusive por meio de medida liminar. Ao final, foi dedicado um capítulo sobre as formas de responsabilização civil dos provedores e sua proteção jurídica. O trabalho concluiu que os limites da liberdade de expressão deverão ser determinados caso a caso, por meio do posicionamento subjetivo do magistrado, que irá sopesar, no caso concreto, interesses, valores e princípios colidentes; que a remoção compulsória de conteúdo da internet dependerá da ilicitude do conteúdo, reconhecida pelo Juiz, de decisão judicial e de indicação de URL para sua validade, salvo quando o conteúdo reputado ilícito violar a intimidade sexual de outrem; e que na maioria dos casos a baixa eficácia das sentenças que determinam a retirada de conteúdo ocorre pela lentidão do judiciário e do modus operandi da internet. No que tange à retirada por meio de liminar, o trabalho concluiu que esta não cabe em qualquer caso, sob o risco de configurar censura prévia. Já quanto à responsabilização dos provedores, a regra geral é que ela é subjetiva, exceção quando ele contiver controle prévio do conteúdo postado por seus usuários.


Palavras-chave


Responsabilização de Provedor; Remoção de conteúdo; Liberdade de expressão; Internet; Tutela Liminar; Marco Civil

Texto completo:

PDF

Referências


AGRA, Walber de Moura. Curso de Direito Constitucional. 9. ed. Belo Horizonte: Forum. 2018.

AGUIAR, Roger Silva. Responsabilidade civil objetiva: do risco à solidariedade. São Paulo: Atlas, 2007.

ALEXY, Robert. Teoria de los derechos fundamentales. Madri. Centro de Estuddios Politicos y Constitucionales, 2001.

ALVES, Graziella Ferreira. Levando os Direitos a Sério – Dworking. In: BORGES, Alexandre Wallmont, et. all., Clássicos de Direito Constitucional. Curitiba: Clássica. 2013.

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2006.

ARTICLE 19. Conectando: liberdade de expressão, empresas de telecomunicações e provedores de internet. p.9. São Paulo. 2017.

ÀVILA, Humberto. Teoria dos Princípios, 4 ed. São Paulo: Malheiros. 2005.

BARBOSA, Rui. República: teoria e prática: textos doutrinários sobre direitos humanos e políticos na primeira constituição republicana. Brasília: Câmara dos Deputados, 1978.

BARRETO, Irineu Francisco Junior et. all., Marco Civil da Internet e o Direito a privacidade na sociedade da Informação in: Direito, Estado e Sociedade. p. 114. Nº 52. 2018.

BRANCO, Claudia Castelo. et. all., Olhares da Rede. São Paulo: Momento Editora. 2009.

BOBBIO, Noberto. A era dos direitos. 11. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 10. ed. São Paulo: Malheiros, 2000.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2019.

COLOMBO, Cristiano; NETO, Eugênio Facchini. Ciberespaço e conteúdo ofensivo gerado por terceiros: a proteção dos direitos de personalidade e a responsabilização civil dos provedores de aplicação, à luz da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. In: UNICEB. Direito e Mundo Digital. Vol. 7. Nº 3. 2017. Disponível em: . Acesso em: 04/07/2019.

CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional. 6. ed. Coimbra: Livraria Almedina, 1995.

COTS, Márcio; OLIVEIRA, Ricardo. Lei geral de proteção de dados pessoais: comentada. São Paulo: RT, 2018.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. Trad. Nelson Boeira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FRANCO, Marcelo Rosa. O Sistema Normativo – Robert Alexy. In: BORGES, Alexandre Wallmont, et. all., Clássicos de Direito Constitucional. Curitiba: Clássica. 2013.

GNET; IRIS. Curso de Introdução ao Direito de Internet. 2017. Belo Horizonte: UFMG. Disponível em: http://irisbh.com.br/wp-content/uploads/2017/07/Curso-de-Introdu%C3%A7%C3%A3o-ao-Direito-de-Internet-GNet.pdf>. Acesso em: 01/07/2019

GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade civil. 12. ed. São Paulo: Saraiva. 2017.

GONÇALVES, Victor Hugo Pereira. Marco Civil da Internet: comentado. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

JESUS, Damásio; MILAGRE, José Antônio. Marco Civil da Internet Comentários à lei n. 12.965/14. São Paulo: Saraiva. 2014.

KELSEN, Hans. O Estado como integração. Trad. Plínio Fernandes Toledo. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. trad. João Batista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LONGHI, João Victor Rozatti. Marco Civil da Internet no Brasil: breves considerações sobre seus fundamentos, princípios e análise crítica do regime de responsabilidade dos provedores. In: MARTINS, Guilherme Magalhães; LONGUI, João Victor Rozatti. Direito Digital: direito privado e internet. 2ed. Induiatuva: Foco. 2019.

LIMA, Átila Pereira. O direito ao esquecimento na era da sociedade da informação. In: LONGUI, João Victor Rozatti; JÚNIOR, José Luiz de Moura Faleiros. Estudos essenciais de Direito Digital. Uberlândia: Laecc. 2019.

MARCACINI, Augusto. Aspectos Fundamentais do Marco Civil da Internet. São Paulo: Le livros. 2016.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Conteúdo jurídico do princípio da igualdade. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 1995.

MENDES, Gilmar Ferreira. Curso de direito constitucional. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

MORAIS, Alexandre de. Direito Constitucional. 33. ed. São Paulo: Atlas. 2017.

MORAIS, Alexandre de. et. all., Constituição Federal Comentada. Rio de Janeiro: Forense. 2018.

MORAIS, Carlos Tadeu Queiroz de. et. all., Conceitos sobre Internet e Web. Porto Alegre: UFRGS. 2012.

MOTTA, Sylvio. Direito Constitucional. 27. ed. São Paulo: Forense. 2018.

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de direito processual civil. 9. ed. Salvador: JusPodivm, 2017.

ROTH, Gabriela; NUNES, Samuel. A responsabilidade civil dos provedores por danos causados a terceiros: um estudo doutrinário e jurisprudencial do artigo 19 do Marco Civil da Internet. in: LONGUI, João Victor Rozatti; JÚNIOR, José Luiz de Moura Faleiros. Estudos essenciais de Direito Digital. Uberlândia: Laecc. 2019

SANTOS, Maria Celeste Cordeiro Leite dos; ARAUJO, Marllene. O tempo e o Espaço. Fragmentos do Marco Civil da Internet: Paradigmas de Proteção da Dignidade Humana. In: UNICEB. Direito e Mundo Digital. Vol. 7. Nº 3. 2017. Disponível em: . Acesso em: 04/07/2019.

SANTOS, Thalyta. A liberdade de expressão na república federativa do Brasil: Aspectos destacados acerca da ratificação do Brasil da convenção americana sobre direitos humanos. In: Revista Direito UFMS. Campo Grande – MS. v. 2. n.1, 2016, p. 101-119. Disponível em: < http://seer.ufms.br/index.php/revdir/article/view/2276> acesso em: 17/07/2019.

SARMENTO, Daniel. Liberdade de expressão e o Problema do “Hate Speech”. s.d. Disponível em:. Acesso em: 15/06/2019.

SARLET, Ingo Wolfang et. all., Curso de Direito Constitucional. 6. ed. São Paulo: Saraiva.

SOUZA, Carlos Affonso; LEMOS, Ronaldo. Marco Civil da Internet: Construção e Aplicação. Juiz de Fora: Editar. 2016.

SILVA, José Afonso. Aplicabilidade da norma constitucional. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2000.

SILVA, Virgílio Afonso. Direitos Fundamentais: conteúdo essencial, restrições e eficácia. 2. ed. São Paulo: Malheiros.

STJ. RECURSO ESPECIAL : REsp 1280317. Relator: Ministro Antonio Carlos Ferreira. DJe: 09/04/2019. Disponível em:< https://scon.stj.jus.br/SCON/decisoes/toc.jsp?processo=1.280.317&ementa=DANOS+MATERIAIS+E+MORAIS+TEORIA+DO+RISCO+INTERNET&b=DTXT&thesaurus=JURIDICO&p=true>. Acesso em: 10/07/2019.

STF, RECLAMAÇÃO : Rlc 28747/PR. Relator: Ministro Alexandre de Morais. DJe: 05/06/2018. Disponível em: < http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=748634834>. Acesso em: 25/06/2019.

STF, RECLAMAÇÃO : Rlc 30105/ PA. Relator: Ministro Luiz Fux. DJe: 15/06/2018. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2019.

STF, RECLAMAÇÃO : Rlc 31117/PR. Relator: Ministro Celso de Mello. DJe: 03/05/2019. Disponível em: < http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/visualizarEmenta.asp?s1=000411411&base=baseMonocraticas>. Acesso em: 11/07/2019.

STF, RECLAMAÇÃO : Rlc 31315 TP/SP. Relator: Ministro Roberto Barroso. DJe: 10/08/2018. Disponível em: < http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/visualizarEmenta.asp?s1=000355290&base=baseMonocraticas>. Acesso em: 01/07/2019

TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil. 7. ed. São Paulo: Forense. 2017.

TÔRRES, Fernanda Carolina. O direito fundamental à liberdade de expressão e sua extensão. In: Revista de Informação Legislativa. Out/dez. 2013, p. 61-80




DOI: https://doi.org/10.21902/rctjsc.v7i1.330

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos



Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional. ISSN: 2319-0884
Tribunal de Justiça de Santa Catarina. CEJUR - Academia Judicial
Rua Almirante Lamego, 1386 - Centro - CEP 88015-601 - Florianópolis - SC

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.