JUSTIÇA E POLÍTICA: ARENAS DE DESIGUAIS

Alexandre Chini, Marcelo Moraes Caetano

Resumo


As sociedades se erigem ao redor de valores, como os culturais e os éticos, constantemente submetidos à apreciação de seus componentes, expressa pelas práticas discursivas. Essa característica dialógica dos tecidos sociais – que ocorre em meio a interesses distintos e muitas vezes divergentes – confere-lhes dinamicidade, à qual está atrelado o conceito de Política (cf. Platão e Aristóteles). Decorre dessa pluralidade a existência de conflitos e controvérsias, riscos e incertezas (cf. Lafer), que necessitam, por um prisma natural e/ou moral (cf. Hobbes e Grotius), da dialética profunda (cf. Hegel), a um só tempo funcionalista e formalista, por cuja metodologia científico-filosófica promana uma sentença capaz de contemplar tanto os valores absolutos quanto os relativos, de acordo com a necessidade e a etapa do que se está julgando. À Justiça, nesse quadro complexo, compete estabelecer a síntese dos fatos concretos, a partir de um assento de onde pode vislumbrar o ideal (cf. Kant) imanente ao passado, presente e futuro do povo a que presta serviço jussivo. Esse papel regulador dos parâmetros sociais amiúde tensos implica uma das definições possíveis de Justiça, que sopesa qualidade e quantidade (cf. Aristóteles), construindo hierarquias. O estabelecimento do equilíbrio de muitos equilíbrios, portanto, é intrínseco à epistemologia da Justiça em si mesma e por si mesma, diante da profícua potência (cf. Humboldt) de dualidades que provém da Política. Este ensaio pretende, portanto, discorrer sobre o que se pode nomear de função (resolutiva), metafunção e epifunção da Justiça, cuja ocupação é o Bem das sociedades em seus decursos históricos, jurídicos, diplomáticos, simbólicos, econômicos.


Palavras-chave


Justiça. Política. Qualidade. Quantidade. Dialética. Equilíbrio.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Edipro, 2011.

CAETANO, Marcelo Moraes; CHINI, Alexandre. Princípios de argumentação jurídica: a lógica e a retórica. Saarbrücken (Alemanha): OmniScriptum, 2016.

GOETHE, Johan Wolfgang. Fausto. São Paulo: 34, 2004.

HEGEL. Phänomenologie des Geistes. Berlin, Guttenberg Spiegel, 1806.

HOBBES, Thomas. O direito e o estado moderno. São Paulo: Associação dos Advogados de São Paulo, 1980.

HUMBOLDT. Wilhelm. Os limites da ação do Estado. Rio de Janeiro: TOP Books, 2004.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. São Paulo: Martin Claret, 2009.

KIERKEGAARD, Soren. Ou isso, ou aquilo: um fragmento da vida. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

LAFER, Celso. A identidade internacional do Brasil e a política externa brasileira: passado, presente e futuro. São Paulo: Perspectiva, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PERELMAN, Chaïm. Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1987. v. 11, p. 234-265.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1984.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Philosophische bemerkungen. Frankfurt. Suhrkamp, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional. ISSN: 2319-0884
Tribunal de Justiça de Santa Catarina. CEJUR - Academia Judicial
Rua Almirante Lamego, 1386 - Centro - CEP 88015-601 - Florianópolis - SC