A Lei Anticorrupção E Seus Prinicipais Aspectos: O Procedimento Administrativo De Responsabilização, O Programa De Integridade E O Acordo De Leniência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37497/revistacejur.v10i1.391

Palavras-chave:

Lei anticorrupção, Processo administrativo de responsabilização, Programa de Integridade, Acordo de Leniência

Resumo

Objetivo: O objetivo desta pesquisa é uma breve investigação da Lei Anticorrupção Empresarial com enfoque na responsabilização objetiva da pessoa jurídica, no mecanismo do Procedimento Administrativo de Responsabilização (PAR), nos pilares do Programa de Integridade, bem como no conceito e operacionalidade do Acordo de Leniência.

 Metodologia: Utilizou-se a metodologia dedutiva, baseada em pesquisa de doutrina, livros e artigos publicados em revistas especializadas, bem como da legislação brasileira.

 Relevância: Todo processo de apuração dos atos previstos na Lei Anticorrupção seja conduzido por meio do Processo Administrativo de Responsabilização. O PAR deve ser conduzido por uma comissão formada por servidores públicos, e sua conclusão deve apresentar proposta de sanção para a pessoa jurídica investigada. Por fim, o acordo de leniência é o mecanismo criado para que as organizações investigadas possam cooperar com o processo de apuração em troca de redução das sanções previstas; tem como principal finalidade restituir e reparar os danos causados pelos atos lesivos à Administração Pública.

Resultados: Os principais resultados referem-se à regulamentação do mecanismo de prevenção previsto na Lei Anticorrupção, que dispõe sobre os elementos mínimos para o funcionamento adequado de um Programa de Integridade. Ressalta-se que o seu principal objetivo é evitar que as pessoas físicas, ao atuarem em nome da pessoa jurídica, cometam atos lesivos à Administração Pública; bem como o estabelecimento de procedimentos para a cooperação com as autoridades competentes nos casos de identificação de desvios de conduta.

Contribuições: Entre outras contribuições resultantes deste estudo, as principais referem-se ao esclarecimento e a divulgação do Procedimento Administrativo de Responsabilização e do Acordo de Leniência, que são temas ainda muito recentes nos Direitos Administrativo e Penal brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vicente Loiácono Neto, Centro Universitário Curitiba – UNICURITIBA, Paraná

Mestrando em Direito Empresarial e Cidadania pelo Centro Universitário Curitiba – UNICURITIBA. Especialista em Direito Processual Civil, pela Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL. Advogado.

Referências

ANTONIK, Luis Roberto.Compliance, ética, responsabilidade social e empresarial: uma visão prática. Rio de Janeiro, RJ: Alta Books, 2016.

AYRES, Carlos Henrique da Silva.; MAEDA, Bruno Carneiro. O acordo de Leniência como ferramenta de combate à corrupção. In: SOUZA, J.M.; QUEIROZ, R. P. (Orgs.). Lei Anticorrupção. Salvador: JusPODIVM, 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Controladoria Geral da União. Disponível em: https://www.gov.br/ cgu/pt-br/assuntos/responsabilizacao-de-empresas/lei-anticorrupcao/acordo- leniencia. Acesso em: 19 mar. 2020.

BRASIL. Controladoria Geral da União, Gabinete do Ministro. Instrução Normativa nº., 13, de 8 de agosto de 2019. Disponível em: https://lex.com.br/ legis_27853689_INSTRUCAO_NORMATIVA_N_13_DE_8_DE_AGOSTO_DE_2019.aspx. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Controladoria Geral da União. Manual Prático de Avaliação de Programa de Integridade em PAR. Disponível em: https://www.cgu.gov.br/ Publicacoes/etica-e-integridade/arquivos/manual-pratico-integridade-par.pdf. Acesso em: 21 mar. 2020.

BRASIL. Decreto nº. 8.420/2015. Regulamenta a Lei nº. 12.846, de 1º. de agosto de 2013, que dispõe sobre a responsabilização administrativa de pessoas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015- 2018/2015/Decreto/D8420.htm. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/l8666cons.htm. Acesso em: 18 mar. 2020.

BRASIL. Lei Federal nº. 12.846, de 1º. de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Disponível e: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2013/lei/l12846.htm. Acesso em: 31 mar. 2020.

BRASIL. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal- Estudo Técnico 01/2017, p. 47.

CAMPOS, Patrícia Toledo de. Comentários à Lei nº 12.846/2013 – Revista Digital de Direito Administrativo, v. 2, n. 1, 2015, p. 160-185.

CARVALHOSA, Modesto.A Comissão Especial e a Corrupção na Administração Pública Federal. Brasília: Presidência da República, Comissão Especial, 1994.

BRASIL. Considerações sobre a Lei Anticorrupção das pessoas jurídicas: Lei 12.846 de 2013. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2015.

CHEN, Hui; SOLES, Eugene. Por que os programas de compliance fracassam e como corrigi-los. Disponível em: https://hbrbr.uol.com.br/compliance-como- corrigir/. Acesso em: 15 mar. 2020.

Dl PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Participação popular na administração pública. Revista Trimestral de Direito Público. São Paulo, n. 1, 1993.

FIDALGO, Carolina Barros.; CANETTI, Rafaela Coutinho. Os acordos de leniência na lei do combate à corrupção. In: SOUZA, J.M.; QUEIROZ, R. P. (Orgs.). Lei Anticorrupção. Salvador: JusPODIVM, 2015.

GIOVANINI, Wagner. Compliance - A excelência na prática. São Paulo: 2017. GORGA, Maria Luíza; MARCHIONI, Guilherme Lobo. Programa de compliance de “fachada”, melhor não ter. Disponível em: http://compliancebrasil.org/ programa-de-compliance-de-fachada-melhor-nao-ter/. Acesso em: 20 mar 2020. MONTIEL, Juan Pablo. Autolimpieza empresarial: Compliance programs, investigaciones internas y neutralización de riesgos penales. In: KUHLEN, Lothar; PABLO MONTIEL, Juan; URBINA GIMENO, Íñigo Ortiz de. (EDs.) Compliance y Teoría del Derecho Penal. Madrid: Marcial Pons, 2013.

NETO, Affonso Ghizzo. Corrupção, Estado Democrático de Direito e Educação. 2008. 290 f. Dissertação (Mestrado) – Filosofia e Teoria do Direito, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2010.

OCDE. Manual de Boas Práticas em Controles Internos, Ética e Compliance. Disponível em: https://rolimvlc.com/informes/efetividade-de-programas-de- compliance-conforme-manual-da-ocde-2/. Acesso em: 22 mar. 2020.

PEREIRA, Victor Alexandre El Khoury M. Acordo de leniência na Lei Anticorrupção (Lei nº 12.846/2013). Revista Brasileira de Infraestrutura – RBINF, Belo Horizonte, ano 5, n. 9, p. 79-113, jan./jun. 2016.

PRADO, Francisco de Octavio Almeida. Improbidade Administrativa. Revista dos Tribunais. São Paulo: Revista dos Tribunais.

RIOS, José Arthur. A FRAUDE SOCIAL DA CORRUPÇÃO. In: LEITE, Celso Barroso (organizador). Sociologia da Corrupção. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987. SANTOS, José Anacleto Abduch; BERTONCINI, Mateus; COSTÓDIO FILHO, Ubirajara. Comentários à Lei 12.846/2013. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

ZANETTI, Adriana Freisleben de. Lei Anticorrupção e Compliance. Revista Brasileira de Estudos da Função Pública – RBEFP. Belo Horizonte, ano 5, n. 15, p. 35-60, set./dez. 2016.

ZENKNER, Marcelo. Integridade governamental e empresarial: um espectro da repressão e da prevenção à corrupção no Brasil e em Portugal. Belo Horizonte: Fórum, 2019.

Publicado

2022-03-15

Como Citar

NETO, V. L. . A Lei Anticorrupção E Seus Prinicipais Aspectos: O Procedimento Administrativo De Responsabilização, O Programa De Integridade E O Acordo De Leniência. Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, Florianópolis (SC), v. 10, n. 1, p. e0391, 2022. DOI: 10.37497/revistacejur.v10i1.391. Disponível em: https://revistadocejur.tjsc.jus.br/cejur/article/view/391. Acesso em: 6 fev. 2023.