Mediação e Conciliação nas Serventias Extrajudiciais como Forma de Ampliação do Acesso à Justiça

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37497/revistacejur.v10i1.389

Palavras-chave:

Mediação, Conciliação, Serventias Extrajudiciais, Acesso à Justiça

Resumo

Objetivo do estudo: Analisar a Lei 13.140/2015 e seu disciplinamento operativo (Provimento 67/2018 do CNJ) com vistas à ampliação da competência das serventias extrajudiciais para realizar mediações e conciliações, em apoio à ampliação do acesso à justiça.

Abordagem Metodológica: O presente estudo, de natureza qualitativa e explicativa, baseia-se  em dados e informações secundárias e documentais.

Relevância:  A transferência da solução de conflitos, que podem ser geridos administrativamente pelas serventias, aumenta a possibilidade de acesso à Justiça por toda a sociedade. As serventias extrajudiciais constituem serviço público delegado pelo Estado e seu custo financeiro é de responsabilidade exclusiva do notário ou registrador. Assim, a transferência de conflitos para as serventias não acarreta custos ao Estado. O presente estudo junta-se ao esforço do CNJ (Res 125/2010) estimulando a auto composição para resolução dos conflitos.

Principais resultados: Demonstra-se com base na análise da lei 13.140/2015 e Provimento 67/2018 CNJ que a limitação dos serviços das serventias por competência ao oferecimento da mediação e conciliação não se sustenta constituindo uma violação de acesso à Justiça, um contra senso às barreiras normativas e à política pública de gestão de conflitos auto compositivos, uma contradição aos fundamentos teóricos-filosóficos da mediação e da conciliação, uma incompatibilidade com as interpretações histórica, teleológica e sistemática do artigo 42 da Lei 13.140/2015 e um empecilho às funções preventiva e social dos notários e registradores. 

Contribuições teóricas/metodológicas: Como o artigo é de caráter técnico profissional, a maior contribuição, além da profunda análise dos termos dos fundamentos teóricos-filosóficos da mediação e conciliação, é sua contribuição ao refinamento das limitações temáticas, por via de ajustes no Provimento 67/2018 CNJ.

Conclusão: A análise leva a conclusões de compatibilidade das limitações nas questões penais e trabalhistas.  Contudo, traz sete incompatibilidades básicas (citadas nos resultados) que justificam plenamente a necessidade de refino, mais especificamente, no Provimento 67/2018 do CNJ. Por fim, a necessidade de eliminação das limitações decorre conclusivamente da dificuldade de se especificar a competência de uma ou outra serventia extrajudicial, por causa da maior complexidade e multifacetas dos conflitos sociais de hoje, tornando caduca a limitação por especialidade nas serventias extrajudiciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Elisa do Valle M. Lomazini, Universidade de Araraquara - UNIARA

Mestre Profissional em Direito e Gestão de Conflitos pela Universidade de Araraquara (UNIARA). Especialista em Direito Notarial e Registral pela Universidade Anhanguera-Uniderp e pela Faculdade Única de Ipatinga. Graduação em Direito pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Tabeliã de Protesto em Minas Gerais.

Leonel Cezar Rodrigues, Universidade de Araraquara - UNIARA

Pós-Doutor em Administração pela USP. Doutor em Administração de Sistemas de Ciência e Tecnologia e Mestre em Administração da Tecnologia pela Vanderbilt University-USA. Direito pela UNINOVE.  Professor do Mestrado Profissional em Direito e Gestão de Conflitos -- UNIARA.

Referências

ANOREG-BR (Associação dos Notários e Registradores do Brasil). Cartório em números. 2º edição, 2020. Disponível em: https://www.anoreg.org.br/site/wp-content/uploads/2020/11/Cart%C3%B3rios-em-N%C3%BAmeros-2edi%C3%A7%C3%A3o-2020.pdf. Consulta realizada em dezembro de 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Consulta realizada em dezembro de 2020.

_____. Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994. Regulamenta o art. 236 da Constituição Federal, dispondo sobre serviços notariais e de registro (Lei dos cartórios). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8935.htm. Consulta realizada em dezembro de 2020.

_____. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Consulta realizada em dezembro de 2020.

_____. Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. Regulamenta a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13140.htm. Consulta realizada em dezembro de 2020.

CALMON, Petronio. Fundamentos da mediação e da conciliação. 2 ed. Brasília: Gazeta Jurídica, 2013.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Tradução de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabris, 1988.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução nº 125, 29 de novembro de 2010. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/156. Consulta realizada em dezembro de 2020.

_____. Provimento 67, 26 de março de 2018. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/2532. Consulta realizada em dezembro de 2020.

_____. Provimento 72, 27 de junho de 2018. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/2621. Consulta realizada em dezembro de 2020.

_____. Recomendação 28, 17 de agosto de 2018. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/2648. Consulta realizada em dezembro de 2020.

FERNANDES, Rodrigo Pacheco. Protesto Notarial em tempos de pandemia: uma análise sob a ótica do acesso à justiça. In: Revista Pensamento Jurídico. São Paulo – vol. 14, nº 2, Edição Especial “Covid 19”. 2020. Disponível no endereço eletrônico: https://fadisp.com.br/revista/ojs/index.php/pensamentojuridico/article/view/224. Consulta realizada em novembro de 2020.

HILL, Flávia Pereira. Mediação nos Cartórios Extrajudiciais: desafios e perspectivas. In: Revista Eletrônica de Direito Processual – REDP. Volume 19. Set-Dez 2018. Disponível no endereço eletrônico: www.redp.uerj.br. Consulta realizada em novembro de 2020.

LUCHIARI, Valéria Ferioli Lagrasta. Formação de mediadores e conciliadores – Resolução nº 125 do CNJ e a proposta da Enam. In: Revista do Advogado, São Paulo, v. XXXIV, n. 123, p. 48-55, ago. 2014.

NASCIMENTO, Róger Freitas. Serventias extrajudiciais como instrumentos de resolução consensual de conflitos e de acesso à justiça no estado do Tocantins. Dissertação de Mestrado em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos apresentada à Universidade Federal do Tocantins. Palmas, TO, 2017. Disponível em http://repositorio.uft.edu.br/handle/11612/458. Consulta realizada em novembro de 2020.

WATANABE, Kazuo. Acesso à justiça e meios consensuais de solução de conflitos. In: Visão multidisciplinar das soluções de conflitos no Brasil. Coordenação de João Gradino Rodas, Aline Anhezini de Souza, Juliana Poloni, Guilherme Bertipaglia Leite da Silva e Eduardo Machado Dias. 1º ed. Curitiba: Editora Prismas, 2018.

Publicado

2022-08-11

Como Citar

LOMAZINI, A. E. do V. M. .; RODRIGUES, L. C. R. Mediação e Conciliação nas Serventias Extrajudiciais como Forma de Ampliação do Acesso à Justiça. Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, Florianópolis (SC), v. 10, n. 1, p. e0389, 2022. DOI: 10.37497/revistacejur.v10i1.389. Disponível em: https://revistadocejur.tjsc.jus.br/cejur/article/view/389. Acesso em: 6 fev. 2023.