A Atuação do Ministério Público frente à Pandemia do Coronavírus numa Visão Ético Humanista para uma Fraternidade Universal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37497/revistacejur.v10i1.358

Palavras-chave:

Ministério Público, Ética, Humanismo, Responsabilização social, Fraternidade Universal

Resumo

Objetivo: O objetivo desta pesquisa é a importância de se avaliar uma situação jurídica, não somente do ponto de vista legal, ou seja, estritamente da lei, deve extrapolar o campo normativo, incidindo sobre as questões filosóficas, sociológicas, e devem ser inseridas na contextualização histórica do momento, sem descurar o aspecto legal.

Metodologia: Método hipotético-dedutivo, auxiliado pela pesquisa de revisão de literatura, como meio para apresentar uma crítica reflexiva sobre o problema.

Relevância: o Ministério Público, na qualidade de órgão independente estatal que, de certa maneira, presta um serviço público no âmbito do “Estado Justiça”, agindo como uma verdadeira “empresa”, necessita de um plano estratégico, para atuar com eficiência e numa visão social, na defesa do estado democrático   de direito, devendo, por conseguinte, pautar-se seguindo os ditames legais, tendo como paradigma vetor a Constituição da República Federativa do Brasil.

Contribuições: Os direitos fundamentais, compreendidos como direitos humanos, é que deverão nortear o caminho para a construção de uma sociedade, livre, justa e fraterna, tendo no capitalismo  humanista  um  ideário fulcrado no amor ao próximo, inserido num verdadeiro humanismo capitalista universal, onde a dignidade da pessoa humana seja erigida para a concretização efetiva dos direitos humanos de primeira, segunda e terceira gerações, tudo  em  consonância  com  o  nosso  atual  texto  constitucional,  ou seja, a Constituição da República Federativa do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Chede Mamedio Bark, Centro Universitário Curitiba – UNICURITIBA, Paraná

Doutorando em Direito Empresarial e Cidadania do Centro Universitário Curitiba – UNICURITIBA, Paraná, (Brasil).

Sergio Fernando Moro, Centro Universitário Curitiba – Unicuritiba, Paraná

Foi Ministro da Justiça e da Segurança Pública do Brasil de 01/2019 a 04/2020. Foi Juiz Federal da 13.a Vara Criminal Federal de Curitiba/PR, especializada em crimes financeiros, de lavagem de dinheiro e praticados por grupos criminosos organizados. É Professor contratado da graduação  e pós-graduação do Unicuritiba - Centro Universitário Curitiba – Unicuritiba e Uniceub - Universitário de Brasília.

Irene Portela, Universidade de Santiago de Compostela

Doutora em Direito Constitucional pelo departamento de  Direito  Público  e  Teoria  do Estado, pela Universidade de Santiago de Compostela. Mestre em Administração Pública, pela Universidade do Minho. Pós-graduada em Direito da Comunicação, pelo Instituto Jurídico da Comunicação, Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Exerce vários cargos na Escola Superior de Gestão do IPCA, tendo sido até à data a docente responsável pela Unidade Curricular de Direito Constitucional e de Direitos Fundamentais, aos cursos de Solicitadoria e de Fiscalidade.

Referências

ARISTÓTELES, Ética a Nicômaco, Livro II, Coleção: Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, NBR 6023: informação e documentação: referências – elaboração. Rio de Janeiro, 2000.

AFONSO VAZ, Manuel. Direito Econômico. A ordem econômica portuguesa, Editora Coimbra, 3a edição, 1994.

BALERA, Wagner; SAYEG, Ricardo Hasson. O capitalismo humanista: filosofia humanista de direito econômico. Petrópolis: KBR, 2011.

BEAUD, Michel. História do Capitalismo de 1500 até nossos dias. Tradução Maria Ermantina Galvão Gomes Pereira, Editora Brasiliense, 1987.

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico, Tradução Ari Marcelo Solon, Editora Edipro, 2ª edição, 2017.

________________ Liberalismo e democracia, tradução Marco Aurélio Nogueira, São Paulo, Editora Edipro, 2017.

COMPARATO, Fábio Konder. Ética: direito, moral e religião no mundo moderno, Companhia das Letras, 2a edição. São Paulo, 2006.

COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia, História e grandes temas, Editora Saraiva, 16a.edição, São Paulo, 2006.

CLÈVE, Clèmerson Merlin. Temas de Direito Constitucional (E de Teoria do Direito), Editora Acadêmica, São Paulo, 1993.

DATA COVID-19 - Disponível em <.https://site.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=3396> Acessado em 04 de setembro de 2020.

DECRETO 4230 COVID-19 - Disponível no site:<http://www.cedca.pr.gov.br/arquivos/File/2020/DecretoEstadual4230_COVID19.pdf> Acessado em 13 de setembro de 2020.

DUGUIT, Léon. Fundamentos do Direito, Tradução Márcio Pugliesi, 3ª edição, São Paulo, Editora Martin Claret, 2009, 3ª reimpressão, 2015.

HABERMAS, Jurgen. Direito e democracia. Entre facticidade e validade. Tradução: Flávio Beno Siebeneicheler, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1997.

KANT, Immanuel. A Metafísica dos Costumes Contendo A Doutrina do Direito e a Doutrina da Virtude, Tradução Edson Bini, Editora Edipro, São Paulo, 1ª edição, 2003.

LEITE, Eduardo de Oliveira, A Monografia Jurídica, Porto Alegre, 2a edição, Sérgio Antônio Fabris Editores, 1987.

LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado, 14ª edição, São Paulo, Editora Saraiva, 2010.

MAZILLI, Hugo Nigro. in O Ministério Público na Constituição de 1998, Editora Saraiva, São Paulo, 1989.

___________________A Defesa dos Interesses Difusos em Juízo, Editora Saraiva, 8a. Edição, 1996.

NERY JÚNIOR, Nelson. In anais do 9o. Congresso Nacional do Ministério Público, Bahia, 01 a 04/09/92.

NOVO DICIONÁRIO AURÉLIO DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2a edição Revista e Ampliada (13a. Impressão), Editora Nova Fronteira S/A, Rio de Janeiro.

REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito, São Paulo, Saraiva, 5a. Edição, 1994.

REVISTA JURÍDICA DO UNICURITIBA, v.2, n. 55, 2019.

SARMENTO, Daniel. Direitos Fundamentais e Relações Privadas, 2ª edição, Rio de Janeiro, Editora Lumen Juris, 2008.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. Do pensamento único à consciência universal, Editora Record, São Paulo, 2006.

SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de ter razão, 38 estratagemas, Tradução de Milton Camargo Mota, Rio de Janeiro, Editora Vozes, 2017.

SEN, Amartya Kumar. Desenvolvimento como liberdade, tradução Laura Teixeira Motta, revisão técnica Ricardo Doniselli Mendes, São Paulo, 6a reimpressão, Companhia da Letras, 2007.

________________. Sobre ética e economia. Trad. de Laura Motta, São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

VÂZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética, Tradução de João Dell'Anna, 30ª edição, Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2008.

Publicado

2022-08-10

Como Citar

BARK, C. M.; MORO, S. F. .; PORTELA, I. . A Atuação do Ministério Público frente à Pandemia do Coronavírus numa Visão Ético Humanista para uma Fraternidade Universal. Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, Florianópolis (SC), v. 10, n. 1, p. e0358, 2022. DOI: 10.37497/revistacejur.v10i1.358. Disponível em: https://revistadocejur.tjsc.jus.br/cejur/article/view/358. Acesso em: 6 fev. 2023.