A violação positiva do contrato como forma de inadimplemento no Direito brasileiro

Autores

  • Fernando de Lima Luiz

DOI:

https://doi.org/10.21902/rctjsc.v6i1.307

Palavras-chave:

Inadimplemento. Boa-fé. Obrigação complexa. Deveres laterais. Violação Positiva do contrato.

Resumo

A teoria do inadimplemento é comumente trabalhada, no direito brasileiro, dividindo-o em dois, o absoluto e o relativo. Há, também, regramento específico a respeito de uma teoria geral dos vícios. Não obstante, existem hipóteses que, faticamente, tratam de inadimplemento, mas não se incluem entre os conceitos acima, o que evidencia a existência de uma lacuna no direito pátrio. Isso porque a incidência da boa-fé objetiva na relação obrigacional ampliou o feixe de deveres existentes nesta, transformando-a no que se convencionou chamar de complexa. A ofensa a tais deveres (laterais) precisa ser tida como hipótese de inadimplemento contratual, sendo essa a conceituação da teoria da violação positiva do contrato no direito brasileiro (violação dos deveres laterais de conduta). O reconhecimento da incidência de tal teoria não é apenas academicismo exacerbado, na medida em que é diferenciador na resolução de casos concretos, porquanto permite à parte a utilização de figuras típicas ao inadimplemento, como a exceção de contrato não cumprido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-12-14

Como Citar

Luiz, F. de L. (2018). A violação positiva do contrato como forma de inadimplemento no Direito brasileiro. Revista Do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, 6(1), 191–213. https://doi.org/10.21902/rctjsc.v6i1.307

Edição

Seção

Artigos Nacionais