Compliance na Ambiência das Empresas Menores: Reflexões de Uma Correlação Harmônica Desenvolvimentista
PDF

Palavras-chave

Compliance
Smaller Companies
legitimacy Compliance
Empresas Menores
Legitimidade

Como Citar

Andrade, F. K. V. D. . (2021). Compliance na Ambiência das Empresas Menores: Reflexões de Uma Correlação Harmônica Desenvolvimentista. Revista Do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, 9(1), e0381. https://doi.org/10.37497/revistacejur.v9i1.381

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo refletir se haveria espaço fático e jurídico para aplicação de medidas de compliance no âmbito das microempresas e empresas de pequeno porte. A disseminação em terreno brasileiro das medidas de não corrupção empresarial e intenção de cultura de integridade vem mais fortemente afetando à seara das organizações empresariais de maior monta estrutural e econômica. Possível explicação está no fato de os principais escândalos corruptivos empresariais brasileiros, levados a amplo conhecimento público, restados ultimados nos locais das grandes sociedades empresárias. Germinou-se, por assim, inconsciente ideário de complexibilidade das medidas de compliance, numa relação de prejudicialidade de sua incidência no ambiente das empresas menores, enfrentadoras de maiores dificuldades, dentre elas financeiras e estruturais. Aportes fáticos e jurídicos, explanados no artigo, refletem a própria essência do que seja o compliance e dizem sobre a sua possível compatibilidade de aplicação às empresas de menor vultuosidade. São igualmente refletidos os efeitos subjacentes repercutidos dessa relação de compatibilidade, quais sejam o Desenvolvimento e nova legitimidade empresarial.

https://doi.org/10.37497/revistacejur.v9i1.381
PDF

Referências

ANTONIK, Luis Roberto. Compliance, Ética, Responsabilidade Social e Empresarial: uma visão prática. Rio de Janeiro: Editora Alta Book, 2016.

ASHLEY, Patrícia A. (Coord.). Ética e responsabilidade social nos negócios. São Paulo: Saraiva, 2002

BUENO, M. L. C. L. (2017). JurisCast #6 – Compliance (Podcast). Recuperado de micro e pequenas empresas leva à internacionalização? CONTEXTUS - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 14(3), 53-78. doi: http://dx.doi.org/10.19094/contextus.v14i3.831

CANDELORO, Ana Paula P.; DE RIZZO, Maria Balbina Martins; PINHO, Vinícius. Compliance 360º: Riscos, estratégias, conflitos e vaidades no mundo corporativo. São Paulo: Trevisan, 2012. p. 30.

COIMBRA, Marcelo de Aguiar; MANZI, Vanessa Alessi (Org.). Manual de compliance. São Paulo: Atlas, 2010.

COSTA, S. C. (2012). O Compliance como um novo modelo de negócio nas sociedades empresárias. Revista Científica da Faculdade Darcy Ribeiro, n 3, jul/dez. 51-60.

DENARI, ZELMO. Curso de Direito Tributário. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

DOMINGUES, L. M., Muritiba, P. M., & Muritiba, S. N. (2016). Boa governança corporativa em micro e pequenas empresas leva à internacionalização? CONTEXTUS - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 14(3), 53-78. doi: http://dx.doi.org/10.1909/contextus.v14i3.831

GRAU, Eros Roberto. Elementos de direito econômico. São Paulo: RT, 1981, p. 7- 8.

INSTITUTO ETHOS; SEBRAE. Responsabilidade social empresarial para micro e pequenas empresas: passo a passo. São Paulo, 2003. Disponível em: http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/357151C893C7938983256E92005F13B5/$File/NT00005622.pdf

KARKACHE, Sérgio. Princípio do tratamento favorecido: o direito das empresas de pequeno porte a uma carga tributária menor. Curitiba: 2009. 296 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade Federal do Paraná, 2009.

KHALIL, Raja Oliveira. Responsabilidade Social nas Microempresas: estudo de caso de microempresas da baixada litorânea e região dos lagos do estado do rio de janeiro. Dissertação – Mestrado em Sistema de Gestão, UFF, Niterói, 2005.

LORGA, Marco Antonio; KNOERR, Fernando Gustavo. Atividade de fomento para as micro e pequenas empresas e o princípio da isonomia. Revista Jurídica - UNICURITIBA, v. 2, n. 31, p. 387-414, ago. 2013.

LOURENÇO, A. G. e SCHRÖDER, D. S. Vale investir em Responsabilidade Social Empresarial? Stakeholders, ganhos e perdas. In: Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades, v. II. São Paulo/Petrópolis: Instituto Ethos, 2003. p. 77-119.

MANZI, Vanessa Alessi. COMPLAINCE no BRASIL, Consolidação e Perspectivas. São Paulo: Saint Paul Editora Ltda, 2008.

RIBEIRO, Márcia Carla Pereira; GALESKI JÚNIOR, Irineu. Teoria geral dos contratos: contratos empresariais e análise econômica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

SARLET, Ingo Wolfgang; SAAVEDRA, Giovani Agostini. Judicialização, Reserva do Possível e Compliance na Área da Saúde. Disponível em: <http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edsbas&AN=edsbas.5895 DB9A&la ng=pt-br&site=eds-live>. Acesso em: 19 abr. 2019.

SEN, Amartya Kumar. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, pg. 56.

SILVA, E. C. (2006). Governança corporativa nas empresas. (1a ed.). São Paulo, SP: Atlas.

TOMAZETTE, Marlon. Curso de Direito Empresarial: teoria geral e direito societário. 9 ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.