A Meritocracia Neoliberal e o Desafio de Garantir a Justiça Social
PDF

Palavras-chave

Estado Liberal
Estado Social
Neoliberalismo
Meritocracia

Como Citar

STANKEVECZ, R. V.; BERTONCINI, M. A Meritocracia Neoliberal e o Desafio de Garantir a Justiça Social. Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, Florianópolis (SC), v. 9, n. 1, p. e0370, 2021. DOI: 10.37497/revistacejur.v9i1.370. Disponível em: https://revistadocejur.tjsc.jus.br/cejur/article/view/370. Acesso em: 1 out. 2022.

Resumo

Neste artigo procurou-se demonstrar as fases através do qual o Estado se fundamentou com o decorrer dos séculos, passando do Absolutismo Monárquico ao Estado liberal, depois para Estado do bem-estar social, até chegar ao Neoliberalismo, com o resgate de princípios do capitalismo liberal e marcado pela privatização, não apenas das empresas estatais, mas também dos serviços sociais. Como consequência, o acesso a estes serviços acaba sendo atribuído ao mérito e ao desempenho, aumentando as desigualdades sociais. Portanto, propõe-se um debate sobre a promoção da justiça social, equilibrando-se os ideais neoliberais e socialdemocratas, sem se perder de vista a ideia de mínimo existencial e a importância do Estado de Bem-Estar Social definido pela Constituição brasileira.
https://doi.org/10.37497/revistacejur.v9i1.370
PDF

Referências

ALVES, Daiana Allessi Nicoletti; STANKEVECZ, Rafael Velloso. O neoliberalismo e seus impactos no trabalho feminino. Coletânea de artigos jurídicos (livro eletrônico): em homenagem ao Professor José Laurindo de Souza Netto. 1ª edição. Curitiba: Clássica Editora, 2020, p. 233 – 249. Disponível em: <http://editoraclassica.com.br/beta/uploads/livros/livro_stf_stj_digital_final.pdf>. Acesso em: 30.out.2020.

ANDERSON, Perry et al. Balanço do neoliberalismo. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 34ª Edição. São Paulo: Malheiros, 2018.

BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia. Uma defesa das regras do jogo. 6ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social, 9ª edição. São Paulo: Malheiros Editores, 2009.

BOURDIEU, P. Contrafogos. Táticas para Enfrentar a Invasão Neoliberal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

COMPARATO, Fábio Konder. A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos, 6ª edição. São Paulo, Editora Saraiva, 2008.

DI PIETRO, Maria Sylvia. Parcerias na Administração Pública, 11ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GALBRAITH, John Kenneth, A economia das fraudes inocentes: verdades para o nosso tempo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GALLARDO, Hélio. Teoria crítica: matriz e possibilidade de direitos humanos. Tradução Patrícia Fernandes, 1ª. Edição. São Paulo: Ed. Unesp, 2014.

GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na constituição de 1988: interpretação e crítica. 14 ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 2010.

HAYEK, Friedrich August von. O caminho da servidão. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010.

MOREIRA, Vital. A ordem jurídica do capitalismo. 4ª Edição. Coimbra: Lisboa: Caminho, 1987.

NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma teoria do Estado de Direito. Coimbra: Edições Almedinas, 2006.

PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional, 11ª edição. São Paulo: Editora Saraiva, 2010.

PIKETTY, Thomas. Capital e Ideologia.1ª Edição. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder e o socialismo. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

RAWLS, John. A theory of justice. Cambridge: Harvard University Press, 2000.

REICH, Norbert. Intervenção do Estado na Economia (Reflexos Sobre a Pós-modernidade na Teoria Jurídica). Tradução de: AGUILLAR, Fernando Herren. Revista de Direito Público, n. 94, ano 23, abr./jun.1990.

SAYEG, Ricardo; BALERA, Wagner. Fator CapH Capitalismo Humanista a Dimensão Econômica dos Direitos Humanos. São Paulo: Editora Max Limonad, 2019.

STELZER, Joana; SOUZA, Silvano Denega; OLIVEIRA, Adrielle Betina I.; CADEIAS GLOBAIS DE VALOR (CGV): A FRAGMENTAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO CONFORME A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO. Revista Juridica, [S.l.], v. 4, n. 57, p. 399 - 421, fev. 2020. ISSN 2316-753X. Disponível em: <http://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/RevJur/article/view/3779>. Acesso em: 27.set. 2020.

ZINGALES, Luigi. Um capitalismo para o povo. Reencontrando a chave da prosperidade americana. São Paulo: BEI Comunicação, 2015.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional

Downloads

Não há dados estatísticos.