A Meritocracia Neoliberal e o Desafio de Garantir a Justiça Social

Autores

Palavras-chave:

Estado Liberal, Estado Social, Neoliberalismo, Meritocracia

Resumo

Neste artigo procurou-se demonstrar as fases através do qual o Estado se fundamentou com o decorrer dos séculos, passando do Absolutismo Monárquico ao Estado liberal, depois para Estado do bem-estar social, até chegar ao Neoliberalismo, com o resgate de princípios do capitalismo liberal e marcado pela privatização, não apenas das empresas estatais, mas também dos serviços sociais. Como consequência, o acesso a estes serviços acaba sendo atribuído ao mérito e ao desempenho, aumentando as desigualdades sociais. Portanto, propõe-se um debate sobre a promoção da justiça social, equilibrando-se os ideais neoliberais e socialdemocratas, sem se perder de vista a ideia de mínimo existencial e a importância do Estado de Bem-Estar Social definido pela Constituição brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Velloso Stankevecz, Centro Universitário UNICURITIBA, Paraná

Mestrando em Direito (UNICURITIBA). Especialista em Direitos do Homem pela Faculdade de Direito de Coimbra e especialização em Direito Prático Aplicado pela EMAP. Juiz de Direito do TJPR. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-3706-9373. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3748788985326776

Mateus Bertoncini, Centro Universitário UNICURITIBA, Paraná

Doutor em Direito do Estado pela Universidade Federal do Paraná (2004). Estágio Pós-Doutoral junto ao PPGD da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (2014). Estágio Pós-Doutoral em Democracia e Direitos Humanos organizado pelo Ius gentium Conimbrigae/Centro de Direitos Humanos (IGC) sediado na Faculdade de Direito na Universidade de Coimbra (2020). Professor do Corpo Permanente do Programa de Mestrado e Doutorado em Direito Empresarial e Cidadania do Centro Universitário Curitiba – UNICURITIBA. Procurador de Justiça do Ministério Público do Estado do Paraná. Orcid: Lattes: http://lattes.cnpq.br/8390682026043566

Referências

ALVES, Daiana Allessi Nicoletti; STANKEVECZ, Rafael Velloso. O neoliberalismo e seus impactos no trabalho feminino. Coletânea de artigos jurídicos (livro eletrônico): em homenagem ao Professor José Laurindo de Souza Netto. 1ª edição. Curitiba: Clássica Editora, 2020, p. 233 – 249. Disponível em: <http://editoraclassica.com.br/beta/uploads/livros/livro_stf_stj_digital_final.pdf>. Acesso em: 30.out.2020.

ANDERSON, Perry et al. Balanço do neoliberalismo. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 34ª Edição. São Paulo: Malheiros, 2018.

BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia. Uma defesa das regras do jogo. 6ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social, 9ª edição. São Paulo: Malheiros Editores, 2009.

BOURDIEU, P. Contrafogos. Táticas para Enfrentar a Invasão Neoliberal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

COMPARATO, Fábio Konder. A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos, 6ª edição. São Paulo, Editora Saraiva, 2008.

DI PIETRO, Maria Sylvia. Parcerias na Administração Pública, 11ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GALBRAITH, John Kenneth, A economia das fraudes inocentes: verdades para o nosso tempo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GALLARDO, Hélio. Teoria crítica: matriz e possibilidade de direitos humanos. Tradução Patrícia Fernandes, 1ª. Edição. São Paulo: Ed. Unesp, 2014.

GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na constituição de 1988: interpretação e crítica. 14 ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 2010.

HAYEK, Friedrich August von. O caminho da servidão. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010.

MOREIRA, Vital. A ordem jurídica do capitalismo. 4ª Edição. Coimbra: Lisboa: Caminho, 1987.

NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma teoria do Estado de Direito. Coimbra: Edições Almedinas, 2006.

PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional, 11ª edição. São Paulo: Editora Saraiva, 2010.

PIKETTY, Thomas. Capital e Ideologia.1ª Edição. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder e o socialismo. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

RAWLS, John. A theory of justice. Cambridge: Harvard University Press, 2000.

REICH, Norbert. Intervenção do Estado na Economia (Reflexos Sobre a Pós-modernidade na Teoria Jurídica). Tradução de: AGUILLAR, Fernando Herren. Revista de Direito Público, n. 94, ano 23, abr./jun.1990.

SAYEG, Ricardo; BALERA, Wagner. Fator CapH Capitalismo Humanista a Dimensão Econômica dos Direitos Humanos. São Paulo: Editora Max Limonad, 2019.

STELZER, Joana; SOUZA, Silvano Denega; OLIVEIRA, Adrielle Betina I.; CADEIAS GLOBAIS DE VALOR (CGV): A FRAGMENTAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO CONFORME A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO. Revista Juridica, [S.l.], v. 4, n. 57, p. 399 - 421, fev. 2020. ISSN 2316-753X. Disponível em: <http://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/RevJur/article/view/3779>. Acesso em: 27.set. 2020.

ZINGALES, Luigi. Um capitalismo para o povo. Reencontrando a chave da prosperidade americana. São Paulo: BEI Comunicação, 2015.

Downloads

Publicado

2021-02-02

Como Citar

Stankevecz, R. V., & Bertoncini, M. (2021). A Meritocracia Neoliberal e o Desafio de Garantir a Justiça Social. Revista Do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, 9(1), e370. Recuperado de https://revistadocejur.tjsc.jus.br/cejur/article/view/370

Edição

Seção

Artigos Nacionais