SISTEMA PENAL E MÍDIA: LUTA POR PODER SIMBÓLICO

Autores

  • Álvaro Filipe Oxley da Rocha Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.21902/rctjsc.v1i1.33

Palavras-chave:

Direito. Sistema penal. Mídia. Poder simbólico.

Resumo

O presente artigo constitui um esforço no sentido de abordar as relações entre a mídia privada, em especial a televisão, e o sistema penal, uma interação que reflete os movimentos contraditórios das sociedades atuais quanto a este último, ou seja, por um lado, o questionamento sobre a legitimidade do sistema penal e, por outro, os discursos por sua legitimação e expansão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Filipe Oxley da Rocha, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pós-Doutorado em Criminologia Crítica e Cultural na SSPSSR – Kent University, UK. Doutor em Direito do Estado (UFPR), Mestre em Ciência Política (UFGS), professor e pesquisador no PPGCCRIM - Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais da Faculdade de Direito da PUCRS.

Referências

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002.

______. Derechos humanos: entre violencia estructural y violencia penal: por la pacificación de los conflictos violentos. In: ELBERT, Carlos Alberto. Criminología y sistema penal: compilación in memorian. Montevideo/Buenos Aires: B de F, 2004. p. 334-356.

BARROS FILHO, Clóvis de; SÁ MARTINO, Luis Mauro de. O habitus na comunicação. São Paulo: Paulus, 2003.

BECKER, Howard. Outsiders: studies in the sociology of deviance. New York: The Free Press, 1996.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2002.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

BOURDIEU, P. A opinião pública não existe. In: Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

______. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

______. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto et al. 44. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da mídia: de Gutenberg a internet. Tradução Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BUSTOS RAMÍREZ, Juan. Los medios de comunicación de masas. In: BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da mídia: de Gutenberg a internet. Tradução Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

HULSMAN, Louk. El enfoque abolicionista: políticas criminales alternativas. In:

RODENAS, Alejandra; FONT, Enrique A.; SAGARDUY, Ramiro (Org.). Criminología crítica y control social: el poder punitivo del Estado. p. 73-102. Rosario: Juris, 2000.

KANT, Immanuel. Crítica da razão prática. Tradução Artur Morão. Lisboa: Ed. 70, 1989.

LEMERT, Edwin M. Social pathology: a systematic approach to the theory of sociopathic behavior. New York: McGraw-Hill Book Company, 1951.

PINTO, Louis. Pierre Bourdieu e a teoria do mundo social. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

ROCHA, A. F. O. O Judiciário e o nepotismo. In: Sociologia do direito: a magistratura no espelho. São Leopoldo: UNISINOS, 2002.

THOMPSON, J. B. O escândalo político: poder e visibilidade na era da mídia. Petrópolis: Vozes, 2002.

TOURAINE, Alan. Production de la societé. Paris: PUF, 1973.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: por que as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2004. v. 1.

TUCHMAN, Gaye. La producción de la noticia: estudio sobre la construcción de la realidad. Barcelona: G. Gili., 1983.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. Lisboa: Presença, 1994.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. Rio de Janeiro: Revan, 1991.

Downloads

Publicado

2013-12-05

Como Citar

Oxley da Rocha, Álvaro F. (2013). SISTEMA PENAL E MÍDIA: LUTA POR PODER SIMBÓLICO. Revista Do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, 1(1), 225–242. https://doi.org/10.21902/rctjsc.v1i1.33

Edição

Seção

Artigos Nacionais